FLISI

A Flisi

QUEM SOMOS

O Instituto Oldemburg de Desenvolvimento é uma entidade voltada para a valorização do livro e da leitura como ferramentas de promoção da cultura, da inclusão social e da conquista de autonomia das comunidades beneficiadas por seus projetos.

Há mais de 20 anos a entidade promove experiências inovadoras capazes de gerar transformação social, elevando o IDH – Índice de Desenvolvimento Humano – das localidades em que atua. Os projetos que desenvolve na área de responsabilidade sociocultural formam novos leitores, capacitam agentes de leitura em várias regiões do país e assim democratiza o acesso ao livro como fator de transformação social.

Desde a sua chegada em Petrópolis, no ano de 2014, o Instituto Oldemburg tem consolidado importantes iniciativas em prol do desenvolvimento socioeducativo da Região Serrana.

Em parceria com a Secretaria Municipal de Educação e a iniciativa privada petropolitana, o Instituto tem realizado com absoluto sucesso o projeto Sala de Leitura, que tem por objetivo a implantação de Bibliotecas Comunitárias em escolas municipais, todas dotadas com um acervo inicial de 1.000 livros novos, capacitando agentes de leitura para atuarem como promotores da biblioteca no seu bairro, sempre criando laços de participação e cooperação com os moradores do entorno, fortalecendo dessa forma o binômio Escola/Comunidade.

Em quatro anos de atividade na Serra Fluminense, o Instituto já implantou dez Bibliotecas Comunitárias em escolas públicas localizadas nos bairros de Carangola, Centro (duas), Corrêas, Cuiabá, Itaipava (duas), Meio da Serra, Ponte de Ferro e Quarteirão Brasileiro. Neste ano, durante a FLISI – Festa Literária da Serra Imperial, será inaugurada mais uma Biblioteca, no âmbito do projeto Prazer de Ler/Sala de Leitura, na Escola Municipal São Judas Tadeu, no bairro Mosela.

Um trabalho que gratifica e emociona, porque oferece gratuitamente oportunidades de informação e cultura para comunidades que têm pouco acesso aos livros e seus fascinantes conteúdos.

MEMÓRIA E DIVERSIDADE CULTURAL

Esta edição 2019 da FLISI é dedicada a dois temas tão ricos quanto fascinantes: a memória e a diversidade cultural brasileira. A memória dos eventos passados é uma potência formadora da identidade dos indivíduos, assim como a memória coletiva contribui para formar a identidade sociocultural de um povo.

O filósofo francês Henri Bergson nos ensinou que a memória é uma força virtual capaz de se atualizar: a memória afeta nossa ação, o passado toca o presente. O passado puro se contrai em lembrança que se atualiza. Quando lidamos com a memória, equilibramos o mundo dos sonhos e dos ideais, com a realidade concreta do presente. Toda ação se enriquece de passado e por isso a FLISI se preocupa tanto em valorizar as diferentes memórias brasileiras: literárias, poéticas, audiovisuais e históricas.

Nossa sociedade se formou a partir das influências recebidas de diferentes ciclos migratórios, com destaque para europeus e africanos, que em nossas matas encontraram as culturas indígenas. Tomar consciência da história da nossa nação significa valorizar as ações daqueles que contribuíram para que chegássemos ao patamar social dos dias de hoje. Uma bela oportunidade para compreender o mosaico que compõe a identidade brasileira.

Nesta edição da FLISI vamos homenagear os alemães Curt Niemandajú e Herbert Baldus, pioneiros dos estudos etnográficos sobre diversas nações indígenas do Brasil. Também serão abordadas as contribuições dos negros na construção da nossa sociedade e na evolução da nossa literatura, com a participação de autoras e autores ligados às questões da população afrodescendente. Por fim, um dos pontos altos desta edição da FLISI será o debate sobre a questão da Diversidade Religiosa, trazendo à luz a necessidade de criar um espírito de tolerância entre todos os tipos de crenças.

Cristina Oldemburg
Instituto Oldemburg de Desenvolvimento